Empreendedora, mãe, viúva: o que podemos aprender com a Veuve Clicquot?

Quando eu vejo um Engenheiro, colega de profissão, virando o nariz para o pequeno produtor, eu tenho apenas pena. Engenhar é desenvolver soluções, seja para a grande indústria, seja para o pequeno. E eu trabalho muito tentando disseminar essa mentalidade. Se hoje você toma um Champagne clarinho, sem sedimentos, é graças a uma empreendedora chamada Barbe Nicole. É graças a uma viúva, mãe, que teve … Continuar lendo Empreendedora, mãe, viúva: o que podemos aprender com a Veuve Clicquot?

Sobre Gratidão e Otimismo

Eu não sou otimista. Pelo menos, não me acho. Me considero uma das pessoas mais realistas que conheço. Para mim, otimismo está ligado à crença de que algo DARÁ CERTO. Dará certo no sentido do que foi imaginado. O otimista é aquele que imagina um cenário ÓTIMO e acredita nele. Mas e quando não dá? Porque planos falham, pessoas falham, imprevistos acontecem, mudanças acontecem. Não … Continuar lendo Sobre Gratidão e Otimismo

Um tubarão chamado Barbara Corcoran.

Foi sem grandes pretensões de empreender um negócio grande, que a jovem Barbara tentou sobreviver fazendo o que sabia de melhor: vender. Após se decepcionar em inúmeros empregos, tomou mil dólares emprestados com o namorado e lançou-se como corretora imobiliária em 1973. Ouviu de seu sócio, o então namorado, que nunca alcançaria o sucesso sem ele. Transformando o insulto em impulso, foi adiante. Claro que … Continuar lendo Um tubarão chamado Barbara Corcoran.

A gestão não convencional de Anita Roddick.

Tomei conhecimento da obra de Anita quando estava no curso de administração. E não, não foi durante o conteúdo de gestão, mas sim na disciplina de inglês. O trabalho consistia na leitura de um texto sobre a empresária britânica. Na verdade uma entrevista, que teríamos que traduzir e depois fazer uma resenha com a nossa opinião sobre o trabalho desenvolvido por ela em sua organização. … Continuar lendo A gestão não convencional de Anita Roddick.